Introdução

O Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGCP) do IESP-UERJ conta com docentes-pesquisadores atuantes no campo das Relações Internacionais e da Análise de Política Externa reconhecidos nacional e internacionalmente. Tal condição permitiu que fossem estabelecidas diversas parcerias internacionais com universidades e centros de pesquisa, ampliando o intercâmbio de conhecimento na área, a visibilidade da instituição e a internacionalização de sua produção acadêmica. Estes mesmos docentes já orientaram, com êxito, diversas teses e dissertações e, atualmente, orientam cerca de 20 estudantes do PPGCP que, além de desenvolverem suas pesquisas no âmbito deste projeto, atuam em inúmeras atividades dos laboratórios de pesquisa vinculados a esta iniciativa (LABMUNDO, NEAAPE e OPSA).

As profundas transformações do sistema internacional desde o final da década de 1980 vêm alterando significativamente a posição dos países no sistema internacional, em especial a das potências regionais, a exemplo de Brasil, África do Sul, Argentina, Índia, México, Turquia, entre outras. Para estas, são grandes as oportunidades, mas também os desafios internacionais para a gestação e consolidação de um projeto de desenvolvimento, combinando autonomia externa, crescimento econômico, inclusão social, redução das desigualdades e promoção da democracia. Nesse contexto, este projeto busca ampliar e consolidar a cooperação acadêmica internacional já estabelecida com parceiros de distintas universidades, formando uma rede de pesquisa em torno de três dimensões da inserção internacional do Brasil e em perspectiva comparada com outras potências regionais: política externa, processos de regionalismo e cooperação internacional.

Estudar comparativamente a política externa pressupõe vincular necessidades e demandas internas às oportunidades e desafios externos. É preciso avaliar as capacidades diplomáticas do país para a projeção de seus interesses políticos e econômicos, as instituições domésticas envolvidas, bem como as coalizões de apoio e veto na sociedade. Tal investigação demanda um foco comparativo com outros países emergentes que também experimentam novos desafios e potencial de alavancagem em suas respectivas políticas externas. Na temática do regionalismo, os desafios são ainda maiores em vista dos interesses de países vizinhos e de potências externas, o peso específico de cada Estado e o histórico de construção institucional em cada região. Quanto à cooperação internacional para o desenvolvimento, sobretudo na sua vertente sul-sul, comparar as trajetórias e as estratégias permite entender como esta ferramenta é utilizada na política externa de potências regionais e emergentes. Nos três eixos do projeto, é fundamental ampliar e consolidar parcerias internacionais para intercâmbio e capacitação de docentes e discentes, mas igualmente para a condução de pesquisas empíricas e comparativas.