50 Anos da Revista DADOS

Celebramos em 2016, com enorme alegria, um momento duplamente simbólico para a DADOS – Revista de Ciências Sociais: por um lado, completamos com este primeiro número do ano (vol. 59) cento e cinquenta números publicados; por outro, a revista cumpre cinquenta anos de existência.

Durante estas cinco décadas foram publicados 947 artigos, excluindo-se desta somatória dezenas de notas de pesquisa, cronologias, bibliografias comentadas e resenhas publicadas desde o primeiro número em 1966 até o trigésimo quinto, correspondente ao volume 27 (no1) de 1984, quando a revista passou a publicar exclusivamente artigos. Estes quase mil textos incluem contribuições de vários dos principais intelectuais do Brasil e do exterior e textos seminais da ciência política, da sociologia e da antropologia nacional, que auxiliaram a demarcar e a consolidar subáreas, e a estimular novos debates.

Ao longo deste tempo a revista passou por diferentes etapas: sua criação e institucionalização em um contexto político bastante adverso para a vida pública e para as ciências sociais (1966-1979), sua consolidação e profissionalização na redemocratização (1980-1995), sua consagração e entrada na era digital (1996-2010) e, finalmente, um novo momento, no qual seguimos imersos, onde buscamos um projeto de renovação da revista, mantendo sua tradição e senhas identitárias mais distintivas.

Mudanças paulatinas foram implementadas ao longo dos últimos dois anos (novas instruções aos autores, revisão da política editorial e do processo de avaliação dos manuscritos, adoção em abril de 2015 da plataforma eletrônica Scholar One Manuscripts etc.), com o intuito de aumentar a profissionalização, melhorar o controle do recebimento e processamento dos artigos, além de dar uma maior transparência ao processo de avaliação. Publicaremos uma nota editorial no próximo número da Dados com as informações detalhadas sobre os indicadores de desempenho do processo de avaliação dos artigos recebidos durante o último ano, o primeiro de utilização da plataforma Scholar One.

Somam-se a estas medidas, outras novidades previstas para este ano de 2016: a) a criação de uma página web própria, vinculada à atual página da revista na SciELO; b) a adesão às redes sociais Facebook, Twitter e Academia; c) a construção de novos formatos digitais de permuta e intercâmbio com periódicos nacionais e internacionais; d) a realização de uma nova campanha de doação de exemplares impressos da revista; e) a publicação de artigos no formato ahead of print; f) a publicação, dependendo do teor do artigo e da decisão do conselho de redação, simultânea de artigos em português e em inglês.

Em meio a estas novidades, o aniversário de cinquenta anos da Dados não passará em branco. Estão previstas para o segundo semestre de 2016 atividades especiais em congressos acadêmicos, uma sessão especial de homenagem à revista no Senado nacional, bem como um Seminário a ser realizado no IESP-UERJ em novembro deste ano, quando será lançado um número da revista com alguns artigos especialmente preparados para seu quinquagésimo aniversário.

Pretende-se que o momento simbólico possa servir para fazer um amplo balanço sobre as últimas cinco décadas das ciências sociais e humanas no Brasil, principalmente a ciência política e a sociologia, a partir da análise da trajetória da Dados. Também para realizar uma análise, que transcende a própria revista, adentrando-se no debate sobre as revistas de ciências sociais no país e na América Latina hoje. Isso pressupõe a reconstrução da experiência editorial e intelectual da revista vis-à-vis a transformação, ao longo do tempo, dos contextos políticos e institucionais; a análise teórico-metodológica, que inclui os principais artigos, aportes e o exame da evolução das áreas e subáreas temáticas, bem como dos principais conceitos e métodos; e, finalmente, a discussão sobre os cenários, atores e políticas contemporâneas que orientam as ciências sociais e humanas no Brasil e na região e, em particular, os periódicos científicos.

Cinquenta anos depois da criação da Dados, o contexto político e científico é consideravelmente distinto ao de 1966. Bastante se avançou no sentido da democratização sociopolítica e da institucionalização e profissionalização dos periódicos científicos. No entanto, as tentativas de desestabilização e o cenário de polarização atual levam a um sério risco de retrocessos. Por outro lado, muitos periódicos acabaram caindo em um ultra-academicismo, fechando-se em circuitos totalmente endógenos e altamente especializados. Navegando contra estas duas correntes, Dados não se furtará ao debate público qualificado, parte de seu DNA, conciliando o rigor científico e teórico-metodológico com a ênfase em questões substantivas da sociedade e da política.

Longa vida à Dados, um patrimônio das ciências sociais brasileiras.
Breno Bringel
Editor, DADOS – Revista de Ciências Sociais

Comments are closed.