Entrevista com Carolina de Paula, no Estadão

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A Diretora Executiva do DataIESP, Carolina de Paula, também pesquisadora do Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP), foi entrevistada pela equipe do jornal Estado de S. Paulo a respeito da pesquisa Bolsonarismo no Brasil, publicada pelo laboratório em conjunto com o Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (Iree). Na matéria, a cientista política explica como a pesquisa demonstra que certos aspectos do discurso pregado pelo Presidente da República não são consenso entre a maioria de seus apoiadores.

 

Quando a gente fala em família, em casamento entre pessoas do mesmo sexo, isso não é consenso. Mas quando a gente fala em família, educação das crianças… Isso sim é um dos valores mais fortes. A corrupção também é uma pauta forte para esse público e que motivou muito o voto em 2018. Quando a gente fez (a pesquisa), não tinha estourado a questão da CPI (da Covid). O que a gente percebe? Para alguns, essa agenda da corrupção foi diminuindo. São aquelas pessoas que deixaram de votar no Bolsonaro e estão aí à procura de um novo nome para 2022. Esses temas são os que mais têm consenso. Por exemplo, na questão do aumento da posse e porte de armas, existe uma tendência maior de ser contra esse aumento, que é uma agenda do Bolsonaro, mas não é uma agenda do eleitor do Bolsonaro. É uma agenda de um público muito restrito.

 

Leia a entrevista completa na página do Estadão.

Comments are closed.