Nota de repúdio

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Nota de repúdio da diretoria do IESP-UERJ às declarações recentes do Presidente da República e do Ministro da Educação a respeito das Ciências Sociais e Humanidades

Vimos a público manifestar nossa profunda preocupação com as declarações recentes do Presidente Jair Bolsonaro e do Ministro da Educação Abraham Weintraub. Elas se somam a declarações anteriores que tinham o mesmo sentido de desvalorizar a produção em Ciências Sociais e sua utilidade social. Ao nosso ver, tal posicionamento parte de uma compreensão altamente distorcida do funcionamento da universidade, das áreas do conhecimento científico e das Ciências Sociais em particular.

O trabalho de ensino e pesquisa da universidade não pode ser submetido ao imperativo de “gerar retorno imediato ao contribuinte”, como pregam os mandatários, pois isso representaria a perda da capacidade dessa instituição de cumprir seu papel social. Tanto o ensino quanto a pesquisa são atividades laboriosas que requerem tempo longo de maturação. O Estado brasileiro já tem em funcionamento por meio da CAPES um complexo e rigoroso sistema de avaliação das atividades de ensino e pesquisa, sensível às especificidades de cada área do conhecimento. Cobrar da universidade retorno imediato é, na prática, sufocar a produção científica brasileira, que tanto progrediu nos últimos anos, e rebaixar a formação a padrões de ensino que produzem repetidores de procedimentos e não inovadores.

As áreas de conhecimento têm objetos e vocações diferentes e modos diversos de trabalhar. A universidade leva esse nome porque tem como fulcro a ideia de a diversidade epistêmica em seu interior contribui para a melhor formação de profissionais e de cidadãos. Tal concepção abrangente mostrou-se extremamente bem-sucedida no Brasil e nos países com os sistemas universitários mais desenvolvidos do mundo.

Por fim, é imperativo debelar a ideia de que as Ciências Sociais não tem utilidade social. Nossa contribuição para o estudo de políticas públicas é fundamental para o bom funcionamento do Estado e, por conseguinte, da sociedade. Estudamos desde seus aspectos normativos até seus processos de implementação e avaliação. Na verdade, muitas políticas públicas foram criadas porque as questões que tratam surgiram primeiramente como temas de estudo das Ciências Sociais.

O IESP é uma das instituições fundadoras da pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Nosso instituto sempre pautou sua atuação no ensino e pesquisa por critérios de excelência científica e relevância pública. Essa é a nossa marca histórica. De uma coisa temos certeza, o descuido com as políticas de educação superior e a desvalorização de áreas fundamentais para o processo de aperfeiçoamento das políticas públicas atentam contra o bom funcionamento de nossa sociedade e a autonomia política do nosso país.

Esperamos de nossos dirigentes, sejam lá suas preferências ideológicas ou partidárias, um mínimo de responsabilidade perante instituições que foram construídas com o esforço de gerações de brasileiros.

Diretoria do IESP

Comments are closed.