“Universitários trans são mais negros, mais pobres e mais engajados, mostra pesquisa”, matéria da Folha de S. Paulo

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Na matéria de Angela Boldrini, publicada na Folha de S. Paulo, é destacada a pesquisa do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA) que traça um perfil dos universitários transsexuais brasileiros a partir de dados de um levantamento feito em 2018 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior com estudantes de graduação de todo o país.

 

Segundo Poema Portela, pesquisadora do Gemaa e doutoranda em sociologia da universidade, não há dados sobre o percentual de transexuais na população brasileira. Ela diz, no entanto, que o levantamento traz a hipótese de uma subrepresentação desse grupo no ensino superior.

“O que a gente pode inferir, considerando um quadro amplo da vulnerabilidade de pessoas trans, é que é um perfil de pessoas que sofre de diversas vulnerabilidades, que muitas vezes acaba evadindo o ensino básico, então entrar na universidade é um passo muito difícil”, afirma ela.

 

Confira a matéria completa na página da Folha.

Comments are closed.