“As Forças Armadas também são responsáveis pela tragédia sanitária”, artigo de Monica Hirst

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Em artigo publicado na revista CartaCapital, a professora convidada do IESP-UERJ Monica Hirst (Universidade Torcuato di Tella) analisa a atuação dos orgãos militares brasileiros durante a gestão do governo Bolsonaro da pandemia de COVID-19, bem como seu papel na crise sanitária que vive o país.

 

A presença de militares no governo adquiriu um novo alcance em 2020. Pazuello nomeou 21 militares, entre eles vários ex-colaboradores em Roraima, para cargos estratégicos do Ministério da Saúde, em substituição a especialistas em saúde pública e epidemiologistas. A militarização da gestão da saúde serviria para oferecer “o braço amigo” do Exército à sociedade e, ao mesmo tempo, avançar no processo de desarticulação da capacidade de provisão de bens públicos do Estado brasileiro.

 

Leia o artigo completo na página da CartaCapital.

Comments are closed.